.posts recentes

. Justiça nega pedido de li...

. INCÊNDIO DESTRÓI O MUSEU ...

. Usuários reclamam de muda...

. Jair Bolsonaro (PSL) é en...

. Após briga, PM é suspeito...

. "Ou a gente muda este Paí...

. ELEIÇÕES NO BRASIL

. O Tiririca do Cerrado: Se...

. ZULU: A EX-BOLETE QUE NUN...

. Dr. Bumbum e mãe são pres...

.arquivos

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Fevereiro 2010

Sábado, 28 de Abril de 2018

Delação de Antonio Palocci complica a situação do ex-presidente Lula

Oxigênio de Lula acaba com delação de Antonio P

Tremenda  delação que pode comprometer uma das famílias mais ricas e poderosas do Brasil. O ex-ministro Antonio Palocci , preso desde setembro de 2016, admitiu que o PT usava propina de contratos da Petrobrás para financiar campanhas.

Os principais alvos dos depoimentos de Palocci são os dois presidentes a quem ele serviu como ministro: Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Nenhum dos 2 tem cargo e por isso também não têm foro privilegiado.

Antonio Palocci é de Ribeirão Preto, no interior paulista. Foi vereador e deputado federal pelo PT, antes de vencer a corrida eleitoral pela prefeitura da cidade, em 1992. Anos depois, repetiu a empreitada, sendo eleito deputado novamente, em 1998, e deixando o posto no ano 2000 para assumir a chefia do Executivo municipal pela segunda vez. Foi coordenador do programa de governo de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 e 1 dos principais articuladores da “Carta ao povo brasileiro”, documento em que o petista se comprometia com uma política econômica mais alinhada aos interesses de agentes do mercado. Ministro da Fazenda no primeiro governo de Lula (2003-2006), Palocci perdeu o cargo depois que foi acusado de participar da quebra ilegal de sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa - que havia declarado à CPI dos Bingos ter visto o petista em uma casa frequentada por lobistas em Brasília. Ele deixou a Fazenda em março de 2006.

Apagado pelo escândalo do caseiro Francenildo, Palocci se elegeu deputado federal em 2006 e passou os 4 anos seguintes na Câmara. Fora dos holofotes, não perdeu a influência entre o empresariado nem nos bastidores do governo. Em 2010, foi convidado por Dilma Rousseff para ser coordenador de sua campanha. Em 2011, com sua vitória, se transformou em ministro-chefe da Casa Civil e 1 dos assessores mais importantes da presidente. Essa fase, porém, durou apenas 7 meses. Palocci deixou o cargo em julho depois de reportagens apontarem o aumento de seu patrimônio pessoal. O acordo de delação foi fechado 1 ano e meio depois de o ex-ministro ser preso pela Lava Jato. 

 

Em depoimento a Sergio Moro no inquérito do sítio em setembro de 2017, Antonio Palocci assumiu sua participação em esquema de propina e atribuiu pela primeira vez publicamente a culpa a Lula. Ele disse que o ex-presidente fechou um acordo com Emílio Odebrecht, dono da empreiteira, no qual receberia dinheiro a fim de custear despesas pessoais e do PT. No depoimento a Moro, Palocci usou o termo “pacto de sangue”. Segundo o ex-ministro, a empresa prometeu pagamentos em 2010 a fim de que Lula convencesse Dilma, que assumiria o comando do país, a manter os privilégios da empreiteira junto à estatal de petróleo e ao governo. Os petistas reagiram dizendo que Palocci mudou seu posicionamento e mentiu para tentar se livrar da cadeia com 1 acordo de delação premiada.


Desde os primeiros depoimentos de confissão de Palocci, seus antigos correligionários adotaram a estratégia de dizer que ele mentia em troca de redução da pena. Em nota divulgada nesta quinta-feira (26/04), a ex-presidente Dilma afirma que Palocci inventa fatos para deixar a cadeia. "No esforço desesperado de obter a liberdade, o senhor Antonio Palocci cria 1 relato que busca agradar aos investigadores, na esperança de que possam deixá-lo sair da prisão. A submissão da verdade ao capricho de investigadores obedece à mesma lógica dos inquisidores que cometiam abusos, sobretudo físicos, nos presos, em outros tristes tempos, para arrancar confissões", diz trecho da nota.

 

 

publicado por srgiodefreitas1965 às 00:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds