.posts recentes

. POLÊMICA MAIOR NO TRANSPO...

. EX-MÉDICO DOENTE MENTAL É...

. Terremoto que atingiu o M...

. PM PRESO POR ENVOLVIMENTO...

. Com Geraldo Luis “sem con...

. SELETIVO SANTOS: TARIFA P...

. Atentado a ônibus pode se...

. Câmara aprova contas de 2...

. O TRABALHO DOS NÃO POLICI...

. MORRE LUIZ MELODIA AOS 66...

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Fevereiro 2010

Sábado, 5 de Março de 2016

McDonald's deixa de ter brinquedos diferentes para meninas e meninos

Uma pedopsiquiatra e um "marketeer" dizem à Renascença que a cadeia de restaurantes vai atrás de uma moda. Falam de “fetiche psicológico” e da tentativa de criar uma sociedade assexuada. O governo concorda.

O menu "Happy Meal" da  Mc Donald's vai deixar de oferecer brinquedos específicos para rapazes e raparigas. A regra, que começou nos Estados Unidos em 2014, ainda não foi aplicada em Portugal pela cadeia de restaurantes.

 

É uma forma de discriminação distinguir os brinquedos por sexo? A Renascença ouviu uma pedopsiquiatra e um “marketeer” e ambos são claros: “Não”. Já os clientes parecem dividir-se e o o Governo concorda com a mudança.

 

A pedopsiquiatra Ana Vasconcelos considera que “as coisas não devem ser radicais". “Em relação ao Mc Donald's , como especialista, acho que a identidade de género existe. Haver brincadeiras que são mais dos rapazes e outras mais das raparigas também existe e tem a ver com a genética e neurofisiologia, até à cultura e educação”.

 

A especialista diz que a cadeia de restaurantes foi apanhada na “moda do momento” em que se “fala muito” de transsexualidade e homossexualidade. “Eles quiseram estar na moda. São as chinesices que têm a ver com a nossa sociedade, que para mim é uma sociedade cheia de fetiches psicológicos”, defende.

 

“Isto é mais marketing, os mecanismos sexistas não passam por aqui”, conclui. “Os miúdos mais pequenos identificam que existe uma identidade de género e as suas escolhas também estão relacionadas com os objectos com que brincam”.

 

Ana Vasconcelos espera que esta situação sirva pelo menos para os pais poderem conversar com as crianças sobre estes temas.

 

A Renascença esteve no Mc Donald's do Rossio, em Lisboa, e os pais ouvidos dividiram-se nas opiniões.

 

O angolano Hélder Félix, de 44 anos, de viagem em Portugal, levou pela primeira vez a filha ao restaurante da cadeia de restaurantes norte-americanos. Apesar de longe da polémica, considera a mudança do  Mc Donald's “agradável para não haver diferença no género e para que as crianças se habituem a brincar de forma unissexo”.

 

“Há crianças que têm casais de filhos e podem brincar só com um brinquedo. Aprendem a partilhar”, argumenta.

Já para Elisabete Cabuço, de 23 anos, a ideia "parece radical”. “Gostava que houvesse um brinquedo para os meninos e para as meninas”, sustenta. “É normal distinguir, não há nenhuma anormalidade.”

happymealmcdonalds1317b06b.jpg

 

publicado por srgiodefreitas1965 às 01:25
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds